Home | 15 Anos | Ano Novo | Vovó Apresenta | Beleza | Dicas | Festas | Formaturas | Natal | Noivas | Receitas | Recém Casados | Reveillon | Vovó Responde

Natal, surgimento presépio no Brasil.

dez 08

Como montar

Há um ritual que deve ser seguido por aqueles que se dispõem a preservar as tradições cristãs, enriquecido também por crendices populares:

1 – O presépio deve ser montado quatro domingos antes do Natal

2 – O menino Jesus só aparece em cena na noite do dia 24

3 – Os Reis Magos são colocados no final de uma estradinha, que vai terminar na manjedoura, e diariamente movimentados em direção a ela, de forma que só estejam diante do Menino Jesus no dia 6 de janeiro


4 – A data correta para desmontar é no batismo de Jesus, que tem data móvel

5 – É comum – e recomendável – que se acendam incensos durante todo o tempo que o presépio permanecer montado.

A história do presépio brasileiro é fruto da influência dos colonizadores de Portugal, Espanha e França, principalmente. Segundo estudiosos, em 1532, o padre Jose de Anchieta, ajudado pelos índios, já modelava em barro pequenas figuras representando o presépio, com o propósito de incutir-lhes a tradição cristã e honrar o menino Jesus no dia de Natal. Mas foi entre os séculos 17 e 18 que os presépios foram definitivamente introduzidos e difundidos no Brasil, inicialmente se inspirando nos modelos europeus e, mais tarde, adquirindo fisionomia própria e a riqueza de linhas que marcaram o barroco nacional.

O índio, o negro, o caboclo, a fauna, a flora, a mitologia afro-americana, usos e costumes, transformaram as influências externas em cenas comuns da vida diária: lavadeiras no rio; caçadores, fazendeiros e trabalhadores cuidando de animais ou montados a cavalo; mulheres cuidando dos filhos ou tirando água no poço; moinhos, cisternas, fontes e rios escorrendo por baixo das pontes. Além da paisagem esboçada nos presépios conter montanhas, árvores, casas de todos os gêneros, pintadas com cores vivas, e a igrejinha iluminada.

A Bahia é um dos estados onde mais cresceu e se difundiu essa tradição, graças também ao seu precioso folclore. No livro “Gabriela, Cravo e Canela”, Jorge Amado detalha casas que ficaram célebres pelos presépios de Natal trabalhados o ano inteiro e expostos em dezembro com vista para a rua, em Ilhéus. “Era o Natal dos presépios, das ceias após a missa do galo, do início dos folguedos populares, dos reisados, dos ternos de pastorinha, dos bumba-meu-boi, do vaqueiro e da caapora”, reforça o autor.

Vários estados do Brasil possuem uma rica série de presépios, como o presépio da cidade de Piriripau, exposto no Parque do Ibirapuera no 4º Centenário de São Paulo, com 42 cenas que vão do nascimento atá a ressurreição de Cristo. No Vale do Paraíba, a arte presepista desenvolveu-se de tal maneira que os presépios em barro cru pintado desenvolvidos pelos “figureiros do Vale” são vendidos em outras regiões, com colorido diferenciado.

Em Minas Gerais, António Francisco Lisboa, o Aleijadinho, decorou não só as igrejas de sua terra natal, Ouro Preto, como fez presépios para a aristocracia crioula, esculpindo figuras não superiores a trinta centímetros com uma requintada elegância, como pastores rezando e os Reis Magos.

Museu do presépio – a idéia de um museu de presépios teve início em 1949 em São Paulo, quando Francisco Matarazzo Sobrinho trouxe da Itália um precioso exemplar do Presépio Napolitano, do século 18, composto por 1620 peças. Anos mais tarde, o sonho tomou forma no Museu de Arte Sacra da capital, onde se encontra o original e mais 130 presépios, que revelam a diversidade de exemplares no mundo, como o do México, com modelos de barro seco e cortiça, e o da Áustria, com madeira, coquinho e pinhas.

Fonte pessoas.hsw.uol.com.br

Comentários

comentarios

Deixe seu comentário

Home | 15 Anos | Ano Novo | Vovó Apresenta | Beleza | Dicas | Festas | Formaturas | Natal | Noivas | Receitas | Recém Casados | Reveillon | Vovó Responde